Tocantins Jalapão Mateiros
20/05/2017 MAPA GALERIA


Cachoeira da Velha

A Cachoeira da Velha é a maior da região do Jalapão, possuindo aproximados 20 metros de altura, por 100 de largura, suas quedas formam dois grandes e imponentes arcos de queda da água.

É possível apreciar sua beleza por passarelas existentes no local, mas, pelas forças das águas, não é indicada para banhos.

Perto dali, porém, formam-se diversas praias de água doce,, banhadas pelo Rio Novo – o rio que forma a Cachoeira –, lugar ideal para refrescar e relaxar nas águas.


rafting

Para os mais aventureiros existe a opção de fazer rafting sobre o Rio Novo, passando pela queda da Cachoeira da Velha. Há, inclusive, uma parada para tirar fotos no interior da queda.

Na nossa passagem pela Cachoeira da Velha fizemos o rafting com o pessoal da Equipe Nova Aventura (tel. 63 9993 1978), na modalidade expresso, no tempo aproximado de 1 hora. Ao final do passeio, há um tempo para descansar sobre uma das praias do Rio Novo.


quanto paga

A Cachoeira da Velha fica em propriedade do governo e não cobra taxa de visitação.

Para o rafting paga-se um valor diretamente à Equipe Nova Aventura, entrem em contato para saber o valor exato, na data de sua viagem.


como chegar

Fica localizada na cidade de Mateiros, região do Jalapão, em Tocantins, para chegar à Cachoeira da Velha percorre-se cerca de 104 quilômetros de Ponte Alta de Tocantins ou, se tiver na cidade de Mateiros, quase idêntica quilometragem.

A sugestão é aproveitar para conhecer na ida ou na volta do Jalapão, porque fica localizada longe das cidades.

Existem placas indicando a localização da cachoeira, na TO 255, mas, em resumo, chegará um momento que ou você continuará reto - sentido cachoeira - ou virará a direita, sentido Mateiros.Não há como errar, principalmente durante o dia.




Jalapão

Destino recheado de belezas naturais, o Jalapão é local apropriado para passar momentos inesquecíveis em meio à natureza, de quase nula ação do homem.

Localizado no leste de Tocantins, o Jalapão é um oásis perdido no meio do cerrado, cujo nome é originário de uma erva da região: a jalapa.

Os locais chamam a região de deserto das águas, porque, segundo relato deles, o território é banhado por lençóis freáticos, então, mesmo em época de secas, a vegetação permanece bem viva, refletindo uma tonalidade bastante verde em suas folhagens.

O termo comumente utilizado pelos turistas, o Jalapão é bruto, cabe perfeitamente para indicar a que público o local é destinado, se deseja gozar de luxo sua opção certamente não é por lá.

A região abrange o município de Mateiros e São Felix de Tocantins, cidades que abrigam os principais atrativos da região.


como chegar ao jalapao

A partir do aeroporto de Palmas, capital de Tocantins, percorre-se aproximados 320 km até Mateiros, cidade mais indicada para usar como base na região.

Existem inúmeras formas de se explorar o Jalapão, caso você não seja aventureiro ao extremo, sugiro utilizar pacotes turísticos ou contratar guias, com veículos, para percorrer o local (ao final da postagem indicarei telefones de alguns).

Optamos por alugar veículo e encarar a estrada sozinhos, mas o carro apresentou problemas e tivemos que seguir com guia em parte da expedição (O Sr. Josimar, proprietário da empresa Park do Sol, com sua caminhote L200 Triton, tel. 63 9 99529920, nos acompanhou).

As estradas em Tocantins não são das melhores, mesmo no trajeto com pavimento, que vai de Palmas até a cidade de Ponte Alta, percorridos pela TO 030 e TO 130. Aparentemente o estado não realiza manutenções regulares, contendo muitos buracos.

A partir de Ponte Alta são mais 170 km até Mateiros, na estrada TO 255, cuja totalidade é percorrida em terra, acessível somente a veículos 4x4. Há quem arrisque desbravá-la com carros altos, não tracionados, principalmente no período de seca, que as estradas estão mais transitáveis. Não é recomendável, porém, pois se atolar poderá passar horas ou dias sem encontrar ajuda.

Pelas dificuldades, a sugestão é percorrer todas as estradas durante o dia, principalmente a TO 255, porque são praticamente 170 km em estrada de terra, em péssimas condições, sem nenhum sinal de celular, comércio, iluminação, postos de combustíveis ou trânsito de carro, enfim não há estrutura. Leve água e comida, para caso ocorra algum imprevisto.

Sempre, caso vá de carro, complete o tanque na cidade de Ponte Alta.

O sinal de celular, mesmo nas cidades, é raro, então, no Jalapão, desapegue da vida.


onde ficar

A cidade de Mateiros conta com uma estrutura razoável para turista, embora seja bastante rústica e bruta.

Há restaurantes, pousadas e posto de combustível.

Não há caixas eletrônicos em lugar algum no Jalapão, é, pois, necessário levar dinheiro em espécie para usar na região.

As principais atrações ficam localizadas em suas imediações, exceto a Cachoeira da Velha (há 90 km do local).


roteiro sugestivo

São muitas opções e variedades de atrações para se conhecer no Jalapão, mas há algumas que merecem destaque, que, ao meu juízo, em 3 dias são suficientes para conhece-las, na seguinte distribuição diária:

1º dia: Cachoeira da Velha (fica quase no meio da TO 255 entre Ponte Alta e Mateiros) a recomendação é sair de Ponte Alta no máximo as 09h30 para chegar ao local com calma por volta das 11h30 e curtir sua beleza, e, se possível, fazer um rafting no Rio Novo, que adentra à Cachoeira da Velha.

Recomendamos sair da cachoeira da Velha no máximo às 14h30, para curtir o por do sol nas Dunas, também localizadas na TO 255.

2º dia: Fervedouros – Embora a região conte com muitos, a sugestão é visitar 4, durante o dia, começando, a partir de Mateiros, na seguinte ordem: Buriti, Ceiça, Buritizinho e Bela Vista (este último fica localizado em outra cidade, São Felix, a 60 km de Mateiros)

3ª dia: Cachoeira do Formiga – é tão linda que vale a pena passar um período inteiro por lá.

4ª dia: Lagoa do Japonês – embora não fique localizada na região do Jalapão, a lagoa é um destino imperdível para quem veio de longe e não voltará ao Tocantins em futuro próximo, no caminho pode fazer uma rápida parada na Pedra Furada, acessível por uma estrada de apenas 6 km.


quando ir

A melhor época para visitar o Jalapão é entre os meses de maio e setembro, período de seca, com céu azul e noites com temperatura amenas.

No período de chuva, ou seja de outubro a abril, corre-se o risco de as atrações não estarem visualmente bonitas e as estradas com excesso de lama.

A temperatura média anual do Jalapão é de 25,8 graus, costuma fazer calor durante o dia e refrescar durante à noite.

Seguem os telefones de algumas empresas que fazem traslados e passeios:

Sebastião – 63 99230-024, Águas do Jalapão – 63 9158-4444 e Jalapão Extremo – 63 9968-1166.



Mapa da região


Recomendamos

Pousada Santa Helena (Mateiros)

Embora o Jalapão seja bruto, é possível, em meio à natureza, descansar e repousar em um pousada com satisfatória estrutura.

O café da manhã da pousada é destaque a parte, com muitas frutas e variedades de alimentos.

Park do Sol (Mateiros)

A Park do Sol é uma empresa que realiza expedições no Jalapão.

Precisamos, por imprevistos na viagem, contratar serviços de translados para percorrer as atrações do Jalapão e nos deparamos com Sr. Josimar.

Ele nos acompanhou praticamente durante toda a viagem no Jalapão, com sua caminhote L200 Triton.

É uma excelente opção caso deseje uma viagem guiada, para evitar imprevistos comum em lugares remotos.

Mais Jalapão